quarta-feira, 17 de outubro de 2012

1001 + 18 - Ensaio sobre o diálogo líquido dos peixes


Não me assusta o desconhecimento
Nada sei sobre o bóson de Higgs
Partícula de Deus, escala de Planck
Mas me trafega este frágil universo
Os fragmentos de todas as teorias
Experimentos sensoriais do plâncton

Não me assusta o desconhecimento
Nada sei da constituição da nuvem
Da evaporação das águas, convecção
Mas me encanta o ponto de orvalho
O arrefecimento que resulta em vapor
Os cristais de gelo e toda sublimação

Não me assusta o desconhecimento
Nada sei da neurobiologia da paixão
Dos estágios platônicos da dopamina
Mas carrego os reveses sutis da libido
A intimidade que reveste a ocitocina
A linguagem orgasmática deste vazio

10 comentários:

Leonardo B. disse...


[ao que consta,

nunca a sílaba temeu ser palavra,

e à palavra
acto de poema;

e assim, é!]

um imenso abraço, Amigo Assis

Leonardo B.

Tania regina Contreiras disse...

Hei, bravo, adorei! E lerei...novamente. Nova mente. Sua posia me renova sempre.
Bjus

Maria Andrade Vieira disse...

dá vontade de colar na parte de dentro da lente do óculos.

Verso Aberto disse...

todas as teorias
- que comportam amor -
desassombradamente
inspiram todas as poesias
as suas poesias

abração Assis

Luiza Maciel Nogueira disse...

cada vez melhor Assis!

beijos

R. Vieira disse...

Não me assusta o desconhecimento...
Isso é muito bom!

Primeira Pessoa disse...

broda,
fiquei sabendo do livro.
e fiquei feliz demais da conta.
aproveita e coloca autografado junto com o ulysses e manda pro endereço que lhe enviareei por email.
e, sim, me manda o numero da sua conta e o devido valor, para que eu deposite procê. inclua, claro, o valor da postagem.

o poema?
ô, tô tão feliz pelo seu livro que nem prestei atenção.
vou ler o cujo-dito, comento depois.

beijão,

r.

teca disse...

Teorias à parte, me encantei com esses versos seus...

Beijo com carinho e uma flor.

leonor cordeiro disse...

Reencontrar pessoas como você e os seus versos é sempre um presente.
Muitíssimo obrigada pela visita.
Grande abraço!

Leonor

marlene edir severino disse...

E entendes de poesia como ninguém!

Simplesmente
amei!

Beijão, poeta!