segunda-feira, 20 de agosto de 2012

1001 + 4 - a explicação de pasárgada e outras ausências


porque me fizeste entre os olhos e alba
e na luminescência alva eu me inclinava
tudo era centro para desejo do coração

naquelas margens onde outrora vicejava
ela nadava solene em seus pensamentos
era tanto sol que lhe penteava os cabelos

porque havia este mistério no firmamento
porque havia a singela mão a se estender
como o teu hálito ao eflúvio das estações

p.s. porque há palavras que escrevo e apago

10 comentários:

Ingrid disse...

e porque há vida nelas..muita!
beijos meu querido..

Mirze Albuquerque disse...

Tão lindo, Assis!

A cada dia mais me encantam esses poemas que fervem, borbulham no sangue.

Beijo

Mirze

Lídia Borges disse...


Ainda bem que não apagou estas. Seria (quase) pecado.


beijo

Luiza Maciel Nogueira disse...

anda com palavras sempre tão lindas Assis

um beijo

Tania regina Contreiras disse...

Hum...acho que tuas palavras apagdas iluminam as outras!
Beijos, Assis

Lara Amaral disse...

Porque há tanto sol, fecho os olhos e leio o seu poema.

Beijo.

Vais disse...

'porque havia este mistério no firmamento'

porque esta explicação bateu lá no fundo

'porque havia a singela mão a se estender'

e como apagá-las do pensamento, heim querido Assis? :)

beijos pra ti moço e que venham os + e +

Antonio Paulo Oliveira Campos disse...

Caro Assis , vim a esse mundo de luz através da amiga Lau Milesi. Por minha conta passei a ser seguidor Se aceito agradeço e deixo forte abraço.

Adriana Godoy disse...

Porque gosto de vir aqui e me deliciar com seus poemas, não importa o número. Beijo

Daniela Delias disse...

Apaga, não...

Lindo.

Bjo