quarta-feira, 3 de abril de 2013

1001 + 58 - Por mais que o coração seja mallarmé


Pronunciei teu nome ao vento
E atirei à sorte em lance de dados:
Deu silêncio

9 comentários:

Hercília Fernandes disse...

Belo poema, Assis.
Posso levá-lo?
Beijos, poeta!

Adriana Godoy disse...

Uau, Assis! Ventou por aqui! Beijo

Estrela vespertina... disse...

certas brincadeiras são feitas de silêncio e olhares!

Bela postagem!

Wanderley Elian Lima disse...

Que triste...
Abraço

Tania regina Contreiras disse...

Silêncio diz taaaaantooo! :-)

Beijos,

Vais disse...

de carona numa nuvem o nome foi passear
o lance do silêncio foi pura sorte

beijos

eurico portugal disse...

o amor e a sorte: eis o que nos separa do silêncio.

abraço!

Cris de Souza disse...

Deu pra ouvir daqui...

Cris de Souza disse...

Deu pra ouvir daqui...