sábado, 6 de abril de 2013

1001 + 60 - Nenhuma marca incide a este rio


vais descendo sob meus olhos
como uma chuva apaziguada
sem raios ou trovões
embora tudo seja devastação

6 comentários:

Tania regina Contreiras disse...


Em silêncio um mundo acaba.

Beijos, poeta

Adriana Godoy disse...

devastou-me. beijo

Leonardo B. disse...


[imensa

essa palavra que se faz maré
apesar do silêncio da margem.]

um imenso abraço, Assis

Lb

Lídia Borges disse...


A chuva pode ser benção, dádiva dos céus para vivificar terrenos devastados.
A palavra assim (d)escrita é benção, com certeza !


Um beijo

Vanessa Vieira disse...

Vai me encantando assim!
com tuas palavras sempre sem fim!

Que maravilha de poema meu poeta admirado!!!

Grata por tua visita lá no meu cantinho!

Um grande abraço!

eurico portugal disse...

quem desce... sempre alcança.

abraço!