quarta-feira, 8 de maio de 2013

1001 + 66 - Metaplagio cabralino para orgia de astros


um cão sozinho não tece a madrugada
ele precisará na rua de outros cães
que junto com ele elevem o uivo à lua
numa teia inconsútil de lágrima e solidão

8 comentários:

Lídia Borges disse...


Pares no avesso do dia.

Um beijo

Adriana Godoy disse...

e sempre há os lobos para o coro...bonito, assis! beijo

Primeira Pessoa disse...

ponhamos ordem nessa suruba: primeiro, a lua.
segundo, a rua.

depois, a cambada.
uivo juntim juntim...

abração,
r.

Tania regina Contreiras disse...


Deu tristeza. E vontade de encontrar minha turma para uivar juntos.

Beijos,

dade amorim disse...

Triste porém lindíssimo, Assis.

Beijo por esse poema.

Wanderley Elian Lima disse...

Quando chega a noite eles imitam os galos.
Abraço

Marcio Sakyo Poffo Taniguti disse...

acesse meu blog: http://cadeirantepoeta.blogspot.com.br/, tem poemas, frases e crônicas. Obrigado

eurico portugal disse...

matilha a enfeitiçar a rua mas que rua respira sem o seu uivo? quem sabe, afinal, mais verdades do que a sua?

abraço!