segunda-feira, 30 de novembro de 2009

49 - Poema tipo on the road

Não quero ser poeira na tua estrada
Nem ficção a ser editada no coração
Quero tambores de negros sabores
Untar-me em peles de vários odores

Atar-me a mais caudalosa corrente
Ser o veneno de uma sábia serpente
Forjar o urso do meu próprio abraço
Calcificar a dor na vertigem do ocaso

- viver o inferno do inverso que me tornei

4 comentários:

Moacy Cirne disse...

Poemabeat?
Seja o que for, um bom poema.

Abraços.

nina rizzi disse...

poema do jeito que eu gosto.
beijo.

Mai disse...

Me lembrou Kerouac.

Eu sei, isto é bobagem de lembranças de uma época.
Mas não sei, poesia me joga num certo espírito de uma época.

Abraços.

Lavinia Andrill disse...

Este jogo de palavras que fazes... Nossa, Assis, ~e demais!