quinta-feira, 29 de outubro de 2009

17 - para ti

cada dia precipita
o punhal e o espelho
a hora da refrega
em que solitário
espero o assombro
inelutável da chegada

Um comentário:

Mai disse...

E a cada dia nos vemos, irremediavelmente - sós.
cheiros