sábado, 9 de junho de 2012

975 - suíte para todos os silêncios: o silêncio


(à guisa de um metaplagio de Cortázar)

meu peito não é só silêncio
meu verso não é só silêncio
meu amar não é só silêncio

embora haja só este silêncio
como uma chaga aberta
estranha flor na cabeceira

embora haja apenas silêncio
como neste mar desavisado
e os seus ventos atemporais

meu peito não é só silêncio:
vaza um liquido que ruge
e cega atravessando os olhos

9 comentários:

Mirze Souza disse...

O amor é mesmo uma chaga. Mas esse poema cegou-me, pela beleza dos versos.

Beijo

Mirze

MA FERREIRA disse...

Lindas imagens poéticas! Lindo poema!

bj

Everson Russo disse...

Silencio...grito infinito guardado na alma...abraços.

Daniela Delias disse...

"Estranha flor na cabeceira" traz uma imagem tão bonita, tanta poesia...

Bjo, poetinha :)

dade amorim disse...

Nem só de silêncio vive o amor...
Beijo beijo.

Bípede Falante disse...

ai que dor!!!!

Ira Buscacio disse...

Simplesmente primoroso!
bj imenso

Luiza Maciel Nogueira disse...

" não é só silêncio"

deve ser imensidão

beijo

AnaClarissa disse...

É, tanto silêncio grita!
Bela sinestesia final!

Abraço!