quarta-feira, 27 de junho de 2012

993 - outra fantasia de ventura para moça do sonho


eu cismava outono
tu vinhas em orquídea
a soprar tuas brisas
no espanto de espáduas

não havia mais léguas
passo em desassossego
éramos calor e silêncio
sob a miragem do tempo

eu cismava outono
tu vinhas em teus lilases
a pele sedenta de rios
súbitos nós de um laço

12 comentários:

Everson Russo disse...

Esse desassossego que na verdade era a ansiedade pelo encontro de amor...abraços de bom dia pra ti amigo.

Joelma B. disse...

leitura com mentalização de voz de Assis!!

cismar é tão bom!!!

beijinho, mestre!

Mirze Albuquerque disse...

É um desassossego:

Cismar outonos e vir orquídeas. Uma verdadeira miragem

Beijo

Mirze

Ingrid disse...

sonhos de inverno..
beijos Assis..

Lídia Borges disse...

Tudo suave, passos de dança num palco de sonho.


Lídia

Daniela Delias disse...

Sonho lindo ;)

Bjo, poeta...

Anônimo disse...

As orquídeas,as lilases então, gostam do Sol do Outono.
Seu poema é belíssimo, poeta baiano.
Que talento!!
Meus parabéns!
(churchcrunch@wordpress.com)

Anônimo disse...

Esqueci de deixar um beijo para o poeta. Um beijo,então.

(churchcrunch@worpress.com)

dade amorim disse...

Sonho que promete!

Beijo beijo.

Jorge Pimenta disse...

e desse encontro de águas quanto foi oceano e paul?

abraço!

Tania regina Contreiras disse...

Vou te reler muito no livro que espero tanto. Será um sonho. É também esse um sonho meu.

Beijos,

AnaClarissa disse...

E desse laço, o que ficou?

Beijo imenso, Assis!