terça-feira, 19 de junho de 2012

985 - poema de ilhas, igarapés e paradigmas


meus pés interrogam uma saudade
teimam em descortinar novas ilhas
excelsos neste provisório paradoxo

12 comentários:

Mirze Souza disse...

BELO! BELO!

Há ilhas e estrelas que precisam de percepção.

Beijo

Mirze

Lídia Borges disse...

Passos atentos nas dobras do navegar. Há sempre novas ilhas ou a sombra delas no horizonte.

Um beijo

Everson Russo disse...

Que caminhem em busca dessa saudade...abraços.

Ira Buscacio disse...

há pés que andam pra frente querendo a ré.
há pés que precisam da ré para seguirem adiante.
há pés que andam.
bj imenso, grande Assis

AC disse...

Um paradoxo necessário, um paradoxo que é alimento...

Abraço

Anônimo disse...

Pois meus pes, poeta MIL, so conhecem um caminho:
"seu mileumpoemas".
Deixo um beijo.:)

Bípede Falante disse...

e eles te levaram também até a resposta???
beijoss :)

Tania regina Contreiras disse...

Empresta-me teus pés que eu seguirei...feliz! :-)

Beijos,

Adriana Karnal disse...

a falta de imaginaçao anda me rondando, preciso vir aqui mais seguido, imbuir -me da tua poesia.

dade amorim disse...

Novas ilhas sempre serão descortinadas.

Beijo beijo.

Jorge Pimenta disse...

têm cá um feitio, os passos: disseram-lhes que foram feitos para caminhar, mesmo que não haja estrada. e acreditam nisso cegamente, mesmo quando nem nós temos olhos, já.

abração!

AnaClarissa disse...

Onde nos levarão os pés? Onde?
Beijos!