sexta-feira, 29 de junho de 2012

995 - Sonata para os rútilos vestígios do amor


É adiado o fulgor da pétala
A luminosidade do farol
O cimo do sol

Aqui só há o teu cintilar
Esta imensidão de luz
O sumo da seiva

Em única emissão de voz
Sílaba incondicional
Meu rio, tua foz

20 comentários:

Joelma B. disse...

um deságue de arrepios no mar da pele!!

Beijinho de sexta-feira,Assis!

Lara Amaral disse...

De quanto a natureza não ultrapassa as investidas dos sentidos.

Beijo.

Mirze Albuquerque disse...

A LUZ parou aqui nesta sonata e sugou o sol.

Beijo

Mirze

MA FERREIRA disse...

Me rendo ao encanto da tua poesia!

( lindo o poema que o Pizzano fez em tua homenagem ),

Bj

Jorge Pimenta disse...

é assim o amor: mesmo que em vestígio ou resquício, reverbera acima do sol. talvez por isso, mesmo sabendo que a pétala murcha, todos queiram ser vagalume na noite que só ele inaugura.

abraço, poeta!

Bípede Falante disse...

Assis, tá me dando uma agitação!
Mais uma semana e aí???
Nem sei...
Beijoss

LauraAlberto disse...

só faltam seis!!!
AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHH!!!

o amor e a foz, desengano

beijo

Wilden Barreiro disse...

melhor não adiar muito o fulgor da pétala
mais uma semana e babau mil e uma noites
já mandei minha rosa da lapela pra lavanderia
quero estar tinindo no velório do blog!
abração

Leonardo B. disse...

[feita de melodia,

a margem, a sílaba marginal.]

um imenso abraço, Assis

Lb

VILMA PIVA disse...

Linda poesia que faz vibrar um canto na alma da gente.
Belissima!
Beijos!

Lídia Borges disse...

«Meu rio, tua foz». Um poema só por si.


Lídia

Daniela Delias disse...

Desaguemos.

Belo, poetinha!

Ira Buscacio disse...

Os vestígios de amor nunca se apagam.
bj, bj, poeta

Luiza Maciel Nogueira disse...

lindíssimo Assis, como sempre!

beijos

Adriana Aleixo disse...

...o fulgor da pétala saberá esperar.
Beijo!

Domingos Barroso disse...

ao som de um blues
...


forte abraço,
irmão.

dade amorim disse...

O cintilar de alguém pode ser assim, rútilo e incondicional.

Beijo beijo.

Tania regina Contreiras disse...

Assis, você recupera palavras-diamantes encrustradas, escondidas...Eu amo isso!
Beijos,

AnaClarissa disse...

Sem o Assis, ela não desaguava nunca!

Beijo de nascente!

Cris de Souza disse...

Vestígios em tom maior!