sexta-feira, 1 de junho de 2012

967 - Árido haikai


Às vezes arrisco
E nada crio
Silencio: estio

14 comentários:

Jorge Pimenta disse...

quantas vezes são o silêncio e o estio em aridez verbal que conduzem à cimeira das criações? arriscar será sempre o primeiro passo.

abraço, assis!

p.s. aproximamo-nos do número vertiginoso; vou propor a petição contra os 1001 e em favor da dobragem desta contagem (2002 vai além, até, do épico de kubrik :).

Bípede Falante disse...

O silêncio é uma represa.
Guarda inundações.
Beijoss

Luiza Maciel Nogueira disse...

silêncio que tanto cabe Assis

beijos!

Everson Russo disse...

O silêncio também é uma criação da alma...abraços de bom final de semana.

Ester disse...

"A palavra é de prata, e o silêncio é de ouro."

O silêncio é a morada do nosso coração, volta e meia precisamos ficar lá sozinhos e buscarmos inspiração..

Abraços poéticos,

Fragmentos meus disse...

Silenciar é preciso em certas circunstancias.
Parabéns poeta!
Belos poemas!
Tentei te seguir, não disponivel o link> SEGUIDORES. Coisas da conexão, haja paciencia! Assim que que a conexao colaborar, seguirei com muito prazer.
Beijos e um final de semana abençoado.
Eu! Leilinha

Mirze Souza disse...

Super belo!

Beijo

Mirze

teca disse...

A criação está dentro de você... tem jeito não! Genial!

Beijo carinhoso.

Daniela Delias disse...

Se todo estio fosse assim...

Te beijo!

Luiz Alfredo disse...

Contradição poética profunda
acabou criando
este deslumbrante haicai.

Luiz Alfredo -poeta

Vais disse...

é no estio e no silêncio que brota
mesmo na aridez deste haikai

beijinho

Cris de Souza disse...

Que o quê!?!

Tania regina Contreiras disse...

Santa aridez essa: disse tanto!
Beijos,

Cris de Souza disse...

Às vezes há risco
E nada creio
Silêncio: receio

...