segunda-feira, 18 de junho de 2012

984 - uma ponte qualquer para o aroma da nuvem


(segunda versão)

esta pele de quimeras que me inventas
no ubíquo leque de oferendas
a dispor argúcia, ranhuras, unhas
faz vazar dormência em lento tormento
nesta pele de quimeras que me intentas

16 comentários:

LauraAlberto disse...

tentar o sonho, tentar

[e tu bem o consegues]

beijo

Everson Russo disse...

Pele arrepiada do desejo que se guarda...abraços de bom dia.

Mirze Souza disse...

Uma pele vazando dormência....

Lindo este alvorecer da poesia.

Beijo

Mirze

Tania regina Contreiras disse...

Ah, pela primeira vez li um poema teu "ouvindo" a tua voz, mesmo não conhecendo tua voz...rs E adorei!

Beijos,

Adriana Godoy disse...

Caprichou na escolha do vocabulário...o poema se faz com o aroma de uma manhã de junho. Bonito.
Beijo

Leonardo B. disse...

[acontece em simultâneo, a palavra, raiz, tronco, corpo e aroma,

asa plena de voo
por dentro da palavra.]

um imenso abraço, Assis

Leonardo B.

Bípede Falante disse...

pele de quimeras é um lindo título além de rica imagem :)
beijoss

Luiza Maciel Nogueira disse...

pele de embriagar quimeras, lindo!

beijo

teca disse...

"quimeras que me intentas..."

Beijo e flores.

dade amorim disse...

Palavras tão bem colocadas nesse "ubíquo leque de oferendas"!

Beijo beijo.

Joelma B. disse...

olha... correspondência de vozes (ou peles)... adoro!!

Beijinho, Assis!

Lola disse...

Bom! Muito bom!

Eurico disse...

...há algo na métrica, no ritmo dos versos que abrem e fecham este leque...

esse algo, indefinível, é a Poesia.

abraçamigo, Poeta.

Jorge Pimenta disse...

pele e quimeras a entrar-me na pele. senti-o logo no asfalto do título, já em si mesmo um poema.

abraço!

AnaClarissa disse...

Argúcia, ranhuras, unhas na pele de quimeras: os meandros dos sonhos sempre a enrodilhar...

Abraço!

Cris de Souza disse...

Segunda versão de primeira classe. Pois é, lendo e aprendendo...