segunda-feira, 29 de novembro de 2010

413 - improviso para luzes e nascimentos

estávamos entre quedas e abraços
como um morno rio de promessas
eu abria minhas mãos a cada passo
e reencontrava signos em tuas flores

havia tanto espaço em nós apertados
que avultavam ramos em nossa árvore
escorriam as sedes das muitas veias
as línguas se entrelaçavam em olfato

do destino das manhãs ao lento ofício
de janelas que fazem o ar perpetuar-se
éramos os cristais prestes ao estilhaço
areia fina a espera de pés e novidades

17 comentários:

Mai disse...

Um primor!
Opostos se atraem, e sinergia é uma palavra para este poema.

beijos e boa semana

Mai disse...

Com a união dessas forças, parece até um poema ao Rio de Janeiro neste dia.

beijo

Tania regina Contreiras disse...

as línguas se entrelaçavam em olfato...ah, que coisa, gostei disso, Assis...Só você, só você e só você pra nos dizer certas coisas
Beijos,

Ingrid disse...

Doce sensualidade Assis..
um renascer..
beijo.

AC disse...

Um respirar comum no perpetuar do ar...
Palavras inspiradas!

Abraço

Vanessa Souza Moraes disse...

Queda e abraço, pleonasmo? :)

Insana disse...

O destino é incerto.

bjs
Insana

CANTO GERAL DO BRASIL (e outros cantos) disse...

Assis,
Cristais prestes ao estilhaço...
Estilhaço-me aqui, poeta, e nem de cristal eu sou...

Abraço improvisado,
Pedro Ramúcio.

Luiza Maciel Nogueira disse...

como dois amantes na beira da estrada, prestes ao quase apaixonamento!

beijos!

Mirze Souza disse...

Assis!

Esses cristais prestes ao estilhaço, acabou comigo!

Belíssimo!

Beijos, poeta MIL!

Mirze

Lara Amaral disse...

Bonito isso, Assis, dá vontade de viver neste poema.

Beijo.

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Assis
Ninguém explica os encontros e desencontros, como não se explica a atração pelos opostos.
Abração

dade amorim disse...

Cristais prestes ao estilhaço é o estado que estamos vivendo aqui no Rio. E o poema é perfeito - nem é preciso dizer.
Beijo.

Zélia Guardiano disse...

"éramos os cristais prestes ao estilhaço..."
Meu Deus, que coisa mais linda!
Bravo, Assis!
Abraço

angela disse...

Momento de incerteza.
Bonito poema

Márcia Cristina Lio Magalhães disse...

"do destino das manhãs ao lento ofício
de janelas que fazem o ar perpetuar-se..."

Respirei-a mágica poesia...dela me inebrio poeta Assis!

Anna Amorim disse...

Assis,

Bela construção, onde compõe o que rompe o cotidiano, que o vence. Conjunção do sublime e do erótico!

Deixei resposta ao teu comentário ao poema de minha autoria "Promessa" em PALAVRA DE MULHER.

Convido que venha a somar com tua presença minha outra casa http://poemasselecionadosannamorim.blogspot.com

Beijos,