segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

508 - Canção de rogo à senhora dos vazios

Tanto custo para escrever o poema
E tudo se desilude no primeiro verso
Por que não gostaste das vacancias
Das aliterações, do abluvião subjetivo
Mas posto está na página estancado
Inclusive essa coisa de florir silencio
De entrecortar cílios, carpir retinas
Porque os versos captam fragrancias
E a cada estertor da palavra soa aroma
Que vai a véus e céus desejar tua boca

21 comentários:

Wanderley Elian Lima disse...

Cada vez que leu um poema seu, enriqueço meu vocabulário.
Abração

Luiza Maciel Nogueira disse...

essa coisa de "florir o silêncio" é tão bela, uma poesia só

beijos

Oria Allyahan disse...

Sinestesicamente romântico. E insistente, não?! De um fascínio sem igual!

Abraço

^^

O.A.

Silenciosamente ouvindo... disse...

Amigo a sua poesia é muito boa.
será que me cede uma poesia sua,
para colocar no meu novo blogue
http://sinfoniaesol.wordpress.com
basta deixar num comentário se o
permite.
Teria muito gosto, obviamente com
os devidos créditos.
Bj.
Irene

Mirze Souza disse...

ASSIS!

Arrasou, florindo silêncios.

Beijos, poeta MIL!

Mirze

dade amorim disse...

Das aflições do amor, das palavras que as expressam, o poema é um tratado. Lindo.
Beijo

R.B.Côvo disse...

Não é fácil nos desiludirmos no primeiro verso se tratando de um verdadeiro poeta. Abraço.

Maria Andrade disse...

mesmo que ela não goste das vacâncias, das aliterações, há de desejar a boca cheia de versos

Malu disse...

Assis,


Senti a fragância de seus versos ...
Saio perfumada.


Bjo.

Lívia Azzi disse...

Porque um poema não é para ser lido ou entendido, um poema é para ser vivido...

Beijo

Jorge Pimenta disse...

por momentos senti as flores da primavera a rebentarem em cada palavra tua.
um abraço, poeta!

Ingrid disse...

o olhar e captar é para poucos..
beijos..

Sonhadora disse...

Poeta

Faço silêncio e sinto apenas o cheiro das palavras...e saio plena.

Beijo
Sonhadora

Ana SS disse...

Infestado de inconstancias belas.

Márcia Cristina Lio Magalhães disse...

"Inclusive essa coisa de florir silencio
Porque os versos captam fragrancias
E a cada estertor da palavra soa aroma
Que vai a véus e céus desejar tua boca..."

Lindo demais!! Florir silêncio, só mesmo um poeta pra escrever essa genealidade!

Um abraço, com sorriso...

Andrea de Godoy Neto disse...

Assis, essa coisa de florir silêncios é pura arte. Vou guardar a imagem :)
beijo

Vais disse...

Essa coisa de florir silêncios é um trem danado.
Vazios perturbadores na calada do tempo, na ausência da voz que grita o silêncio das entranhas estranhas. Lindo Assis!
Ah, eu entrei na roda para ver como se dança
Palma, palma, palma
Pé, pé, pé
Roda, roda, roda
Sozinha eu não fico nem devo ficar
Tenho um ímpar para ser meu par

que os motivos ou as arrebatações sejam presentes para compor não só mileum, mas trocentos mil poemas.

Vais disse...

Beijo prati.

Lou Vilela disse...

De uma beleza extraordinária,

cheiro

Cris de Souza disse...

que benção!

Eder Asa disse...

Florir poesia (que seja silenciosa) e se encher de vazios... A gente vê por aqui rs