quarta-feira, 2 de maio de 2012

937 - Cantiga de bem-querer para evidência e fulgor


nado no sobressalto do teu olhar
numa correnteza de quimeras
no mavioso assovio das retinas

neste vasto horizonte de pálpebras
descerro a nudez do meu silencio
a incompletude de muitos vazios

10 comentários:

Everson Russo disse...

E o amar é sonhar, é se jogar nesse horizonte infinito sobre essa nudez do silencio da paz...abraços de bom dia.

Adriana Godoy disse...

Assis, quanta inspiração! "a imcompletude de muitos vazios", perfeito. Beijo

Lara Amaral disse...

Lindo isso, nadar boiando na menina dos olhos.

Beijo.

Lídia Borges disse...

São sempre imagens muito belas as que podemos construir a partir de uma cantiga de bem-querer.


Um beijo

Rafael Castellar das Neves disse...

Cantemo-la!! Muito boa, Assis...verdadeira e necessária!

[]s

Rafael
Desce Mais Uma!

Anônimo disse...

Descerrar a nudez do silêncio!!!!


Belo D+

Beijo

ErikaH Azzevedo disse...

Sobre palpebras um amor, esse olhar de um mundo novo, um sentir de um mundo dentro. Alegrias... lamentos.
Ciliando sentimentos... só se vive, se ama, por mais que de amor morram tantos.

Bjos querido.

Daniela Delias disse...

O título é de uma delicadeza...

Bjos!!!

dade amorim disse...

"numa correnteza de quimeras" é incrível, Assis.
Beijo.

Bípede Falante disse...

eu gosto de tudo que é nu,mas tenho vergonha na cara rsrs
acredito, de verdade, que toda nudez deva ser colorida!
beijoss, Assis :)