terça-feira, 8 de maio de 2012

943 - sinopse de outono para filme noir


uma casa, um telefone,
uma saudade:
há tantas coisas minhas
espalhadas, esparsas,
cavalgando o amargo
suor da tua ausência

12 comentários:

Joelma B. disse...

... ao tentar recolhê-las, dá verso!

beijinho com admiração, mestre Assis!

Tania regina Contreiras disse...

Tão belo, Assis! :-)

Beijos,

dade amorim disse...

Essa doeu.

Beijo beijo, amigo Assis;

Anônimo disse...

Bravíssimo!

Fico mo ar!

Beijo


M

Everson Russo disse...

Sentimentos que se espalham por tudo onde o olhar alcança...abraços de boa tarde.

Sr.Borges disse...

árdua e fastidiosa
a falta é claustrofóbica
como num quarto
cheio de pistas
...do outro

abraços de admiração, Assis!

Luiza Maciel Nogueira disse...

belo Assis e essa beleza não cansa a vista!

beijos

Luiza Maciel Nogueira disse...

e a imaginação :)

bjo

Cris de Souza disse...

Não tem verso que dê jeito!

Lídia Borges disse...

As coisas ditas assim rente à raíz inibem qualquer comentário. Nada a acrescentar.
Apenas um sem-fim de admiração.

Beijo

Jorge Pimenta disse...

quanto de nós está nas coisas e na memória que delas temos?...

abraço!

LauraAlberto disse...

a memória sabe bem mas atraiçoa sempre

beijo