quinta-feira, 17 de maio de 2012

952 - Ensaio de remissão para estrelas imensas


Vinhas em lua distante, em festa de arrebol
Ária para se cumprir em horizonte indócil
Na origem vertiginosa do arrebatamento

Vinhas com a intensidade da flor ao vento
Num ressoar de cordas em ato de vibração
Tão absoluta como uma nuvem apascentada

8 comentários:

Anônimo disse...

a "estrela imensa": TU

na ânsia de saber que inventarás uma nova Via Láctea para tão doce cumplicidade.

Tania regina Contreiras disse...

Queridíssimo poeta, preciso de ti para dizer de mim tantas vezes. Há uma ânsia que se traduz tanto nesse teu verso: intensidade da flor ao vento! Eu a quero!!! :-)
Beijos,

Mirze Souza disse...

Belíssimos e intensos versos.
Em cada palavra um cheiro de flor, uma nuvem apascentada e a vibração do amor.

Um dos mais belos

Beijo

Mirze

Lara Amaral disse...

Penso nessa que vem com o arrebol em festa, num horizonte indócil... quantos versos lindos para emoldurar uma chegada.

Beijo.

Everson Russo disse...

Que essa intensidade da flor ao vento leve longe esse perfume de amor...abraços de bom dia.

Daniela Delias disse...

Tão absoluta quanto o poema. Lindo, por sinal :)

Bjo!

Luiza Maciel Nogueira disse...

flor ao vento, inventa - venta na poesia o ser poeta e não há duvidas desse talento teu em versar com maestria

beijos

Jorge Pimenta disse...

ser lua distante ou flor ao vento para caminhos e descaminhos de pés sem dedos.
há arrebatamentos que se fazem estrelas presas ao teto dos desejos em cintilação bamba...

abraço!