sábado, 15 de janeiro de 2011

464 - poema para quando eu estiver cansado

há um inferno nesses teus lábios
que umedecem e queimam
pálpebras e solidão

22 comentários:

AC disse...

Quando assim é incendeiam-se as madrugadas...

Abraço

Cris de Souza disse...

eta, ferro!

Í.ta** disse...

o inferno cansa mesmo.

abraços.

Cris de Souza disse...

não canso-me de ler-te...

bom diaaaaaaaaaaaa!!!

Everson Russo disse...

Mas que esse inferno, venha arder de amor o coração..abraços de bom sabado.

teca disse...

Que versos tão intensos, tão sentidos... uma chama que arde!

Beijo carinhoso, poeta.

CARLA STOPA disse...

Amei.vou ler todos.Depois passa no Escrevência.

Domingos Barroso disse...

um céu e mar entrelaçados
vastidão, um jardim,
pipoca na praça,
o silêncio maior
...

Esplêndido poema,
camarada Assis.

forte abraço

dade amorim disse...

O inferno onde se quer ficar.

Mirze Souza disse...

ASSIS!

Nada mais posso, que desejar um bom descanso!

Beijos, poeta MIL!

Mirze

Lívia Azzi disse...

Inferno bom!

Beijo!!

Ingrid disse...

Assis,
nunca o cansaço em tuas palavras..
beijo.

Andressa disse...

uau

Lou Vilela disse...

Tudo aqui é pele. ;)

Cheiro

Eder Asa disse...

Canse-se sempre...

Primeira Pessoa disse...

rapaz, que bonito.
e como doem, pálpebras e solidão.
abs,

r.

Oria Allyahan disse...

Nossa... "boca de extinguir espécies..."

Forte abraço, Assis!

^^

Jorge Pimenta disse...

auto-de-fé!
auto-de-fé!
auto-de-fé!

André HP disse...

Poética despi armadura plúmbea.

Abraço, poeta.

Anônimo disse...

Hi, how are you?
pretty-sad-pretty-sad
romantic-sad-romantic-sad
sorry-sad-sorry-sad
Good bye :-:

Analuz disse...

Maravilhoso, Assis...

Beijinho de Luz!

LauraAlberto disse...

o inferno não cansa, também gela, esventra, tritura.
beijos
Laura