quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

468 - vivre sa vie

era tu que vinhas ou
eu que sempre ficava
prélio não se decidia
diz se ia, dir-se-ia

21 comentários:

Everson Russo disse...

E não foi....abraços de bom dia pra ti amigo.

Jorge Pimenta disse...

a e-terna questão sobre que sexo têm os anijos... sempre é, esta, uma batalha em que só há perdedores (ou perdadores?), verdade?
o jogo de palavras verbal é de génio!
abraço!

teca disse...

Uma peleja interminável...

Um beijo doce.

CARLA STOPA disse...

De alguma forma a gente sempre fica...

Wanderley Elian Lima disse...

A gente sempre fica à espera.
Abraço

Cris de Souza disse...

digo que vim voar...

ô coisa boa!

Analuz disse...

Assis, percebo em teu poema a dúvida de como se conjugar o verbo amar...

Maravilhosa (des)construção do tempo...

Beijinho de Luz!

Tania regina Contreiras disse...

E nesse embate amoroso...ficamos suspensos, à espera do que virá depois, quem sabe no 469...:-)

Beijos,Assis!

Sonia Guzzi disse...

Entre um silêncio e outro, talvez morrer de tédio...Quem sabe...
Em divina amizade.
Sonia Guzzi

LauraAlberto disse...

vou ou fico?
venho ou fico?
espero e desespero?
Às vezes mais vale dormir!
Beijo
Laura

Sandra Botelho disse...

Não importa que vai e nem quem fica.
O importante é que no fim tudo se torne um gostoso encontro.
Bjos achocolatados

Mirze Souza disse...

ASSIS!

Certamente era você que sempre ficava!

Belíssimo jogo de palavras, mas sempre defendo as mulheres.

Beijos, poeta MIL!

Mirze

Daniela Delias disse...

Ai, ai...

Malu disse...

Assis,


Excelente seu jogo com as palavras.


BjO.

Lívia Azzi disse...

E entre vir e ficar... nos perdemos...

Um beijo!

Í.ta** disse...

isto de ler é muito assim, não?

um entre ir e vir, quem vai e quem fica.

muito bom!

abraços.

Primeira Pessoa disse...

gosto desse brincar com as palavras, assis.
um tecelão que tece com a naturalidade de um peixe n'água.

samplearei.

Ingrid disse...

E neste se vai e se vem, a vida corre e tu nos levas em palavras...
encatada Assis.
beijo.

Eder Asa disse...

Já disse que esses seus menores, são verdadeiras jóias,

Mai disse...

Um primor.

Uma ode à indecisão.
Há momentos em que gostaria de ter vários poemas teus, na bolsa, para usar como se usam 'bombinhas de ar'.

fundamental vir aqui hoje.

é muito bom ler você, Assis.

Felicidade Clandestina disse...

no meu caso, eu sempre que ia...