domingo, 12 de fevereiro de 2012

857 - auto de invocação para espinhos e saudades


minha solidão ainda
não se acostumou
com a tua ausência


há uma inquietude
de pássaros no
vórtice deste silencio

13 comentários:

Solange Maia disse...

há sempre um barulho por dentro...
sempre...


lindo Assis... lindo.

beijo carinhoso

Adriana Godoy disse...

Assis, bom poder ler os que não conhecia e reler alguns. Parabéns por seu blog e por seus oitocentas e tantos poemas...beijo

Everson Russo disse...

Jamais essa solidão se acostumará com a ausência de quem se ama...abraços de boa semana pra ti amigo.

Luiza Maciel Nogueira disse...

é revoada!

beijo

Cris de Souza disse...

senti e fui tocada!

Vais disse...

auto altamente sentido

beijo

Joelma B. disse...

o som da revoada chega aqui...

beijinho carinhoso, mestre Assis!

MIRZE disse...

Pássaros sempre alcançam o vórtice do silêncio. Morada.

Maravilha

Beijo

Mirze

LauraAlberto disse...

estar só implica ouvir o silêncio, aquele que está dentro de nós

[de mestre, Assis]
Beijinho
LauraAlberto

Celso Mendes disse...

ausências são feitas de um silêncio ruidoso, insistente e ensurdecedor.

abraço.

Daniela Delias disse...

Tão bonito... a começar pelo título!
Bjo, Assis

dade amorim disse...

A solidão resiste a tudo.

teca disse...

Resiste, mas sufoca...

Beijo.