quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

867 - minueto embevecido a perscrutar o voo da libélula


eras tão vertigem quando me vinhas
e acomodavas tuas simpatias
bem no centro dos meus olhos

eu ficava tão inerte em tuas mãos
eram elas que guiavam em procissão
por tontas celebrações em teus altares

12 comentários:

MIRZE disse...

Qualquer libélula dançaria e enbevecer-se-ia ao som desse minueto! Tão doce!

Beijo

Mirze

Rejane Martins disse...

Brilho na soleira cisma o raiar da lavra, pá e cisco em sísmica ventura.

dani carrara disse...

perscutar - parece um palavra pra sempre.

abraço

Adriana Godoy disse...

embevecida fiquei eu com seu poema.bj

Joelma B. disse...

belo título, mestre Assis!

beijinho de quarta-feira de cinzas!

Luiza Maciel Nogueira disse...

esses títulos são sempre um espetáculo, beijos!

Celso Mendes disse...

vertigem de poeta embebeda olhos de nós outrem. amanhã peço outro trago...

abraço

dade amorim disse...

Metáfora incrível, essa do voo da libélula.

Beijo.

Cris de Souza disse...

assim me entontece...

Vais disse...

minueto embevecido e poema à guisa
de apreciar de tão bonitos

beijinho, Assis

Jorge Pimenta disse...

vertigem
inércia
queda
QUASE-SUPERAÇÃO

Daniela Delias disse...

...

Esse é muito lindo!