sábado, 25 de fevereiro de 2012

870 - outra rapsódia insana para olvidos tristes


há um trajeto de viagem que incita sóis
como se os pés fossem folhas em elevação
e todo canto de pássaro se oferecesse solícito
para espargir o olhar nos girassóis distantes

há um trajeto de viagem que incita sóis
faz morada na brevidade de uns alísios
que percorrem fronte, cílios e omoplatas
e grudam como sal na mais fina epiderme

há um trajeto de viagem que incita sóis
é d’ouro que instila rútilos amanhecimentos
o alumbramento que se arvora em fotografias
e ficam no para sempre sedento das retinas

12 comentários:

MIRZE disse...

SALVE, ASSIS!

Todos sos trajetos são alumbramento.

Beijo

Mirze

Joelma B. disse...

perfeita descrição das viagens da voz,mestre Assis...

beijinho com admiração!

Rejane Martins disse...

rumo de sóis movediços e lunados, nos muitos caminhos do teu canto terso que em tudo remanesce - um elogio à vida.

dade amorim disse...

Um trajeto idealista, sonhador, bonito pra danar.

Beijo beijo.

Jorge Pimenta disse...

trajetos de viagem para olvidos tristes, ainda que calçando asas nos pés.

abraço, poeta dos mil e um encantos!

Fred Caju disse...

Cada estrofe é um peso.

Adriana Godoy disse...

pois é, Assis, uma viagem densa e poética. beijo

Samara Bassi disse...

Que lindo e intenso, Assis.

Um mergulho, um buscar profundo.

Meu beijo,
Sam.

Luiza Maciel Nogueira disse...

que maravilha Assis e o final é espetacular

beijo

Verso Aberto disse...

bela viagem
na qual se vai
atávica e simplesmente
por ir

abração mano

Ira Buscacio disse...

Viagem com pés no céu e pele rasgada.
Bj grande, Assis querido

Daniela Delias disse...

"fronte, cílios e omoplatas...". Esses são os trajetos mais bonitos!
Bj