quinta-feira, 5 de abril de 2012

910 - Berceuse inquieta para trôpego caminho


Repousa tua fronte nas minhas palavras
Que tecem paisagens, amanhecimentos,
E que sublimam o horizonte de arrebóis

Repousa flor o teu sexo na minha saliva
Permita que me doe em visgo e sílabas
E te cubra de lilases, jasmins e girassóis

10 comentários:

Mirze Souza disse...

Trôpego e certeiro.

Beijo

Mirze

Everson Russo disse...

Palavras de amor e poesias são o descanso de uma alma...abraços.

Sr.Borges disse...

tal o encantamento de uma Iara
na difícil terminologia lendária
ou igarapé da menina encantada
um boto cruzando a incruzilhada

Boa Páscoa!

Tania regina Contreiras disse...

Ai, ai! Trôpega fiquei eu... :-)
Belo, Assis!
Boa Páscoa, cheia de azeite-de-dendê :-)
Beijos,

Daniela Delias disse...

"É meio-dia, é meia-noite, faz zumzum na testa, na janela, na fresta da telha, pela escada, pela porta, pela estrada toda a fora...".

Lembrei da abelha rainha. Muito lindos os teus versos!

Bjo, bjo

dade amorim disse...

Palavras levam longe.

Um bom feriado pra você, Assis.

Jorge Pimenta disse...

o pólen na saliva do vento; e a primavera a desabrochar horizontes.

abraço, assis!

Lídia Borges disse...

É lindo o que escreves.
Um erotismo que, de repente, me levou até David Mourão Ferreira:

Penélope

Mais do que um sonho: comoção!
sinto-me tonto, enternecido,
quando, de noite, as minhas mãos
são o teu único vestido.

E recompões com essa veste,
que eu, sem saber, tinha tecido,
todo o pudor que desfizeste
como uma teia sem sentido;
todo o pudor que desfizeste
a meu pedido.

Mas nesse manto que desfias,
e que depois voltas a pôr,
eu reconheço os melhores dias
do nosso amor.

(David Mourão Ferreira)


Um beijo

Anna Amorim disse...

Assis,

Repousa flor o teu sexo na minha saliva
Permita que me doe em visgo e sílabas

Belíssimo!


Beijos,

Anna Amorim

Cris de Souza disse...

Irresistível!!!