domingo, 29 de abril de 2012

934 - ária dissoluta para léxico em extravio


nada viaja na palavra
nem o espanto
nem o silencio

quem sabe a saliva
bendita de uma
brisa em saliência

11 comentários:

teca disse...

Interessante o jogo de palavras que você transforma em versos...
Poética autoria...

Beijo grande.

Anônimo disse...

Há nos poetas um aura de proteção às palavras.

BELO.....

Beijo


M

Everson Russo disse...

A palavra tem a força de quem a pronuncia...abraços de bom domingo.

Ira Buscacio disse...

Voz saliente para poucas palavras.
934 bendito.
bj imenso, grande Assis

Daniela Delias disse...

Tudo bem, né? Tão poético esse vazio que nem é vazio, esse léxico em extravio, porque o que vai nessa brisa em saliência parece ser tanto!

Bjo, bjo!


:)

Ingrid disse...

palavras dita e escrita..
e quase dias do fim.. =(
beijos amigo Assis.

dade amorim disse...

Brisa salvadora?

Beijo beijo.

Adriana Karnal disse...

quem sabe o sopro da boca
a mordida do lábio
a língua em trabalho de parto?

Anônimo disse...

Bom dia, poeta dos poetas! Sua ária é belíssima!!

Só o título já é um poemaço/"poemassa"!

Viajei no "Extravio Léxico", poeta. Lembrei do "ladrão de palavras".

E é tão feio roubar...mas virou código de (má)conduta no mundo virtual.

É sempre um prazer passar por aqui e ler seus poemas "únicos".

Deixo um beijo pra você e meus cumprimentos.☺ ☺

(churchcrunch.wordpress.com)

Bípede Falante disse...

Vazio pesado. Vazio grande. Vazio espaçoso. Vazio sólido!
Beijoss

Ribeiro Pedreira disse...

há um silêncio aqui. um silêncio incessantemente poético.