segunda-feira, 9 de abril de 2012

914 - Canção inquieta de perfume e amanhecimento


os desígnios do teu olhar me atravessam
numa eternidade de chama em paixão
brisa e horizonte embevecidos de jasmim

há uma pausa que me inquieta a manhã
a tormenta de alguns segundos paralisados
como a antevéspera que incita o beijo teu

13 comentários:

LauraAlberto disse...

é como um acordar lento, sobressaltado e todos os odores ainda lá estão

beijo

Zélia Guardiano disse...

Lindíssimo, amigo Assis, grande poeta!
A antevéspera do beijo...
Abraço

Adriana Godoy disse...

"há uma pausa que me inquieta a manhã"

Sem desmerecer o resto, eese verso é maravilhoso.

Beijo

Everson Russo disse...

Um olhar cruza sentimentos, emoções e a alma...abraços de bom dia.

dani carrara disse...

muito belo.
beijo

Lídia Borges disse...

É uma doce inquietude, esta entre perfumes e esperas "antevéspera que incita o beijo teu"

Gosto muito!

Um beijo

Pedra do Sertão disse...

Muito boa esta canção!

Abraço

Luiza Maciel Nogueira disse...

fonte de poesia inesgotável

beijos

Mirze Souza disse...

Amo jasmim!

Eternidade poética!

Beijo

Mirze

dade amorim disse...

Tudo se concentra nessa antevéspera...

Beijo, Assis.

Daniela Delias disse...

O segundo em que tudo para; a pausa que faz valer a manhã, o dia, a vida.

Bjo

M.C.L.M disse...

Poesia de brisa, horizonte eterno!

Bj.

Jorge Pimenta disse...

canção para antevésperas e eternidades.

abraço!