sábado, 7 de abril de 2012

912 - rondó para altiplano e pomos imarcescíveis


fosse maçã nuas frutas encarnadas
em desespero de toque e encanto
sobre pele branca de nuvem e neve

fosse ímpeto, salto, rota de extravio
mão de anjo para render em preces
velas para imolar vagas em desafio

fosse inundação de saliva e arrepio
altiplano para suster-se em suspiros
o cândido, claro, níveo imarcescível

8 comentários:

Mirze Souza disse...

UM RONDÓ comme il faut!

Belo!

Beijo

Mirze

Everson Russo disse...

Fosse o desejo,,,o pecado permitido...abraços de bom sábado.

Joelma B. disse...

que a voz rastreie sempre o rumo instigante do olhar!

Beijinho com admiração e carinho, mestre Assis!

Adriana Godoy disse...

Assis, mar adentro, a gente se encanta com seus poemas.

Beijo

Cris de Souza disse...

ave, nosso senhor das liras!

beijosss.

dade amorim disse...

Invejável o imarcescível!
Beijo beijo, Assis.

Daniela Delias disse...

I-M-A-R-C-E-S-C-Í-V-E-L. Soletrando para não tropeçar.

Aqui apreendo palavras. E levo, e levo...

Bjo, bjo

teca disse...

Quando eu li a primeira vez Machado de Assis, eu alucinei com tantas palavras diferentes... mas não é que aqui eu reaprendo esses verbetes que ora você verseja tão brilhantemente?

P.S. - De repente eu percebi: faltam 89, mas você não vai parar, vai?

Boa Páscoa e abençoada seja a sua vida.
Beijo.