quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

87 - poema de encantamento II

se por acaso vires
a curva do corpo
ao dobrar a esquina
não se esconda

- recolhe o riso
de brancos dentes
e acolhe a brisa
deste olhar -

eu bem sei
que se avizinha
a breve e incessante
sinfonia de quem
não sabe dar-se
conta da paixão

4 comentários:

nina rizzi disse...

nossa, que bonbito...

e eu tenho a urgência, visse.

pensei na "mulata da rua vermelha", de Di Cavalcanti.

Cheiro.

Mai disse...

Eu senti foi o cheiro de cravo e canela.
E deixo um ou mil e um...
Cheiros

Adriana Karnal disse...

Que lindo poema, é isso, não esconder-se. Feliz 2010!

Gerana Damulakis disse...

Beleza!!!