sábado, 16 de janeiro de 2010

96 - poema de estranha mensagem

Tudo aconteceu em 79
Mas eu só soube depois
Quando me veio a lembrança
No rosto já envelhecido
Era um século passado
E tua voz não mais se ouvia

4 comentários:

Lice Soares disse...

Parabéns pelo espaço. Muito bom.
Convido=lhe a uma visita ao meu espaço, ok?
Um abraço.

Lara Amaral disse...

Nunca se sabe quando cairá a ficha.

Beijos, ótimo domingo!

Mai disse...

A nostalgia é assim, mergulho atemporal. Na órbita, o tempo correto das coisas está em cada um e ontem é memória e o futuro uma hipótese e no tempo solar, o agora - isto que penso, digo, escrevo - é o passado que fica pausado no tempo como este teu poema. Com o tempo em suspenso, as mensagens tornam-se estranhas. Abraços, Assis.

nina rizzi disse...

eu amei esse poema.
vou engolí-lo.

cheiro.