quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

833 - réquiem para as almas decantadas de paraíso

quem dera fosse só poesia
o que me escorre dos olhos

mas há a carnificina lá fora
que faz eco aqui dentro

há trevas inomináveis
em nome de deus

um muro de lamentações
recortado de fantasmas

que dera fosse só poesia
crianças pintando arco-íris

mas se colhe o infortúnio
na seara escolhida do paraíso

14 comentários:

Tania regina Contreiras disse...

Querido poeta, quem dera só fosse poesia, quem dera! Mas o poeta recicla e o poema alenta, faz refletir, e a gente luta pra transformá-lo (o poema) em ações.

Tenha um bom dia, você que, lido, me torna o olhar mais doce, a alma mais esperançosa, a vontade, o ímpeto de agir.

Beijos,

Rejane Martins disse...

Acesso imediato à sensação de qualquer natureza, há poesia que, vivida a realidade, em tudo, impõe beleza.

MIRZE disse...

Pelo menos aqui, é onde se respira poesia! O resto, o tempo passa, o vento apaga e surge um novo atco-íris!

BELEZA!

Beijo

Mirze

Celso Mendes disse...

há de ser um tanto de sombras a palavra poética por vezes. quisera fosse só arco-íris.

beleza, meu caro.

abraço!

Daniela Delias disse...

Ô, se fosse só arco-íris...

Lídia Borges disse...

Pode não ser só poesia, mas ela é tanto...

"mas se colhe o infortúnio
na seara escolhida do paraíso"

Lindo!


Um beijo

Luiza Maciel Nogueira disse...

quem dera poeta, quem dera...

beijos

Everson Russo disse...

O que escorre pelos olhos é poesia cercada de emoção...abraços.

Vais disse...

Ei, Assis
sonhar sempre

beijo

dade amorim disse...

Há um paraíso assim, dono de infortúnios. Será que pode haver outro?

Beijo.

Jorge Pimenta disse...

só o título traz todos os pássaros azuis para a minha mata de céu e estrelas...

Eurico disse...

De como lirismo pode enveredar pela pólis e nela interferir...

***

(E quando lá fora o poder faz de D'eus o Senhor dos Exércitos... haja desdita para os povos não-eleitos).


Abç solidário.

Joana Masen disse...

Não, o mundo não é perfeito... ao menos trazes a poesia nos olhos.
Bjos!

Cris de Souza disse...

eta, poeta danado!