sexta-feira, 2 de março de 2012

876 - noturno de aparição para senhora dos alísios


há ciúme e sonho quanto te vejo
lamparinas que se acendem
desvario que se instala no peito

sopra o destino que carrego
a mão que tudo incendeia
corre ágil o frágil que me cerco

há ciúme e sonho quando te vejo
se repete o cometa em aparição
viaja o dia no suor cáustico da hora

tudo hesita e paira infindo no querer
flutua quente no olfato em tua pele
que o mar inunda e a terra treme




*A Luiza soprou junto um haikai aqui

13 comentários:

Daniela Delias disse...

que o mar inunda e a terra treme
e tudo é poesia...

Lindo, viu?

Bjo

MIRZE disse...

Lamparinas, queimam; vagalumes, iluminam.

Um noturno que é chama para s senhora dos alísios.

Bravo!

Beijo

Mirze

Anônimo disse...

tão belo!

deixo.me para levar.te!

.maria. disse...

este poema tem um ritmo tão leve, que por um segundo não percebemos que é menos simples do que parece.

Luiza Maciel Nogueira disse...

inunda de poesia a rua
da pele o mar enchente
rebola no poente

inspirador!
um beijo

Everson Russo disse...

Um poema forte no sentimento de existir...abraços de bom final de semana.

Joelma B. disse...

soou canção...

beijinho carinhoso,mestre Assis!

Adriana Godoy disse...

conferido e aprovadíssimo. belo, assis.

dade amorim disse...

Sempre um lindo poema, poeta sem limites.

Beijo.

Ira Buscacio disse...

Assis querido! Concordo com a Joelma, essa aparição é musica pura.
bj grande

Jorge Pimenta disse...

"o mar inunda e a terra treme"

mesmo que em redor da poesia todas as ilhas sejam mais oceano do que terra em hesitação geográfica.

abraço, poeta assis!

LauraAlberto disse...

tu és o senhor dos terramotos e maremotos

beijinho
LauraAlberto

dani carrara disse...

velas dentro de si por dias a chave sem serventia
palavra-poesia.

um bj

até rimou.