quinta-feira, 29 de março de 2012

903 - Tango para um talvez, um quando, um há de vir


Se tu bailasses nessas cores em arrepio
Em síncope de gesto e linguagem
Talvez os passos fizessem levitação
E entrelaçando meneios no há de vir
Houvesse o quando para este alvoroço
O lugar da existência para o desvario

13 comentários:

Zélia Guardiano disse...

Seria festa-baile, de perfeitos passos planejados... Coreografia mágica... Ah...
Abraço, Assis amigo, grande poeta!

Everson Russo disse...

No rodopiar da vida,,,versos e mais versos...abraços.

Lídia Borges disse...

Talvez, sim!

Fica "o lugar da existência para o desvario".

Beijo meu

Mirze Souza disse...

Um tango, um desvario e um POETA!

Não há nada melgor.

Beijo

Mirze

Daniela Delias disse...

"Quizás, quizás, quizás..."

Bj

;)

dade amorim disse...

Talvez é um dos lugares da existência.

Beijo beijo.

Luiza Maciel Nogueira disse...

tango de existência, presença da espera do instante que tudo seja mais além. belo Assis, belo!

beijos

Tania regina Contreiras disse...

Que bonitooooooooooooooooooooooo!!!

pensandoemfamilia disse...

Curtos, intensos seus poemas.
Gostei muito de conhecer seu espaço.
Abraços

Joana Masen disse...

Sonoro!

Ingrid disse...

bela dança em tuas palavras e sentir..
beijos perfumados..

teca disse...

Total penetração d'alma...

Beijo.

Jorge Pimenta disse...

o tango, o enlace dos corpos e todo o porvir no condicional. ah, a gramática dos homens que tanto restringe...

abraço!