segunda-feira, 26 de março de 2012

900 - ária de contemplação para bem-me-quer ao amanhecer


tenho vestígios de iluminação nas mãos
um vestido lilás para acender as ilhas
no amanhecer incauto desta senhorinha

ela que vagueia em seu destino de mulher
para se fazer a tormenta doce do meu dia
e encarnar ventre, hálito, a louca melodia 

16 comentários:

Mirze Souza disse...

É os mil e um poemas terminam no dia 5 de julho. Peninha!!!!!!

Você tem um farol nas mãos, não vestígios.

Beijo

Mirze

Everson Russo disse...

Senhorinha que vagueia nos sonhos do poeta...abraços de bom dia.

Cris de Souza disse...

Iluminado!

Lídia Borges disse...

Se é tormenta seja doce, pelo menos.


Um beijo

Ingrid disse...

amanhecer completo sem pudor..
beijo perfumado para uma linda semana..

Luiza Maciel Nogueira disse...

sábia velhinha do peito, parece bailar :)

beijos

Batom e poesias disse...

Então chegastes aos 900, Assis!
Apenas cem poemas nos separam da separação.

Mas valeu a pena ler cada um deles, mesmo o que não cheguei a comentar, por minha incompetência poética.

Bjs
Rossana

Verso Aberto disse...

doces benquerenças matinais

bom demais!!!

abs Assis

Vais disse...

ai, ai, ai, heim Assis!?
depois de novecentos, cento e um parecem tão perto!

acompanhar admirada tem sido de um prazer danado de bom

beijão e sempre um PARABÉNS!

Lai disse...

Belíssimos poemas! Merecem publicação, ou?…

Daniela Delias disse...

"Olhos de contemplação..."

Bjo

Adriana Godoy disse...

Uau, ainda bem que chegou aos 900.

A proximidade do fim traz promessas de uma nova etapa.


Parabpens pelo trabalho até aqui, sempre expressivo e de qualidade.

Beijos

Tania regina Contreiras disse...

Nossa, que esse de hoje tá que é bonito demais, Assis! Quem falou mesmo em mil e um? Esqueça, que daqui vc não sai, pode esquecer isso...

Beijos,

dade amorim disse...

A tormenta do dia pode ser doce, um consolo.

Beijo, menino.

Rejane Martins disse...

eu vim agradecer estes quatrocentos poemas, foram lidos intensa e afetuosamente, e agradeço na completude de uma Ária de Bach - pérola profunda, acima de qualquer superficialidade.
http://youtu.be/rCuALWK6ZNg

Jorge Pimenta disse...

haja névoa, vento chuva ou procela, nenhum mar se faz inóspito no farol das tuas palavras.

abraço, marinheiro!