quinta-feira, 29 de abril de 2010

199 - modinha prá viola e rede

quando eu me inspirar poesia
seja manhã ou tardezinha
numa rede soprada de maresia
quero me embalar de preces
da menina que couro e curte
encantos em bemóis e fitas
e tranças nos olhos de sede

quero somente o terno doce
das pálpebras das tuas saias



*Lara Amaral no Teatro da Vida fez versos em diálogo e homenagem. Confiram.

12 comentários:

Lara Amaral disse...

Saias de olhos rodados.

=)

Abraço.

nina rizzi disse...

muito publicável :)
me inspira poesia, mesmo estano no colégio de padres vestindo calças, eu que só uso calças por aqui. mas à noite tou em casa, visto minha saia rodada e saio a te girar poesia :)

cheiros, menino.

Marcantonio disse...

Poderia ser modinha indiscreta (rs), com esse maravilhoso dístico final!

Licão!

Grande abraço

Efigênia Coutinho disse...

Assis Freitas
quando eu me inspirar poesia
seja manhã ou tardezinha
numa rede soprada de maresia
quero me embalar de preces
da menina que couro e curte
encantos em bemóis e fitas
e tranças nos olhos de sede

quero somente o terno doce
das pálpebras das tuas saias


Voce não é bom não, é o
MÁXIMO...
Meus cumprimentos, quero voltar muitas vezes aqui para ler sua boa poesia,
Efigênia Coutinho
in New York

Gerana Damulakis disse...

Uma modinha como deve ser, plena de sugestão.

Reflexo d Alma disse...

Eiii!
Passando pra conhecer...
volto pra
comentar.
bjins entre sonhos e delírios

pablorochapoesias.com disse...

Excelente, Assis... Parabéns por esta poesia tão gostosa! Abraços!

Janaina Amado disse...

Assis, gosto MUITO dos seus poemas no meu blog, obrigada, viu? Esta modinha está deliciosa.

Jorge Pimenta disse...

"quero somente o terno doce
das pálpebras das tuas saias"

e os mistérios do universo cairão, como baralhos de cartas, diante de olhos-algodão.

Mai disse...

É tão bom quando você atreve a sua timidez.
Pálpebras a piscar.

cheiros

Úrsula Avner disse...

Olá caro Assis, vim te visitar depois de ter lido o poema postado acima, lá no blog da Lara. Lindos versos numa rica construção poética... Um abraço.

Lou Vilela disse...

Seus poemas nos movem...

A homenagem, arguta e merecida!

Beijos