segunda-feira, 7 de março de 2011

515 - para uma ciranda na terra do nunca mais

era uma vez enquanto lias distraída
e pausavas a sombra pousada na guarida
e rebentavam flores no largo e longo horizonte
e havia um bocejo de ais nos meus olhares
e tudo eras a paisagem de uma vez

15 comentários:

Rejane Martins disse...

espreguiiiiiiiiiiça-se em poema.

Malu disse...

Pura languidez ...


Bjo de um Dia Sereno.

Malu disse...

Pura languidez ...


Bjo de um Dia Sereno.

Malu disse...

Pura languidez ...


Bjo de um Dia Sereno.

Everson Russo disse...

Paisagem serena e plena de amor..abraços de bom dia...

Sam disse...

e enquanto gira um girassol
pousado entre os dedos
a ciranda que é criança
se disfarça de gente grande
mas não se atreve a atravessar o tempo
manso da sua calmaria.

Abraços, flores e estrelas...

Ingrid disse...

delícia Assis..
beijo

R.B.Côvo disse...

Muito bom. Abraço.

Analuz disse...

Que bom que ainda nos restam lembranças...

Beijinho de Luz, Assis!

Lara Amaral disse...

Paisagens que passam por eras...

Beijinho.

Alicia disse...

Posso prosear infinitamente sobre cada verso aqui escrito.

Joana Masen disse...

serenidade numa terra não tão distante...

bjo!

Lívia Azzi disse...

Desde pequena eu queria conhecer essa terra...

;-)

Mirze Souza disse...

ASSIS!

Um sonho florido como a terra do nunca!

Beijos, poeta MIL!

Mirze

Luiza Maciel Nogueira disse...

está aí uma grande pintura, lembra-me Van Gogh - paisagens devastadoras

bjs