domingo, 27 de março de 2011

535 - sobre o ofício de cortejar espantos

não significo muito pra mim
cérebro em desconcerto reto
casulo liberto de tuas cascas
espora de avessos e asas
amaciar pétalas: dou-me a lavra

17 comentários:

Néia Lambert disse...

Assis, nem sempre deixo comentário, mas saiba que estou sempre a passar por aqui e admirando seus versos bem escritos.

Bom domingo!

AC disse...

O significado das coisas é sempre relativo.

Abraço

Everson Russo disse...

Cada qual com sua visão de mundo...abraços de boa semana.

Wanderley Elian Lima disse...

quem não gosta de si mesmo, não gosta de mais ninguém.
Abração

Luiza disse...

ah, casulo de poeta é casa, ninho, caminho.

Beijos

Lara Amaral disse...

Nossa, o título não diria melhor. Muito bom!

Walkyria Rennó Suleiman disse...

Pedido
Sei que você era fã da Gerana, do "Leitora Crítica". Eu e a Betina Moares, estamos fazendo uma campanha pra ela retornar. Entre no meu blog e engrosse essa bronca.
Conto com vc.

Raíz disse...

ASSIS!

E eu que nem de longe sabia que espanto se cortejava!

Beijos, poeta MIL!

Mirze

Raíz disse...

ASSIS!

E eu que nem de longe sabia que espanto se cortejava!

Beijos, poeta MIL!

Mirze

Sam disse...

dou me á lavoura
nesse meu empenho
flor
de florescer instantes
lavrando, lavrando
aperfeiçoando
o (in)verso
da (pa)lavra.

Que belo o poema de hoje, Assis.
Cada um mais belo que o outro.
Meu beijo...
Samara.

Domingos Barroso disse...

o exímio lavrar de um mestre
...

forte abraço,
irmão Assis.

Lívia Azzi disse...

Cair ou voar, eis a questão das borboletas...

Beijos!

Bípede Falante disse...

O que a gente se dá nem sempre nos faz justiça!
beijosss

Cris de Souza disse...

cortejar espantos pode ser divertido...

Ingrid disse...

teus espantos nos cortejam sempre querido Assis..
beijos.

Wilden Barreiro disse...

"casulo liberto de tuas cascas
espora de avessos e asas"

espanta-me teu oficial cortejo!

dade amorim disse...

Nada é definitivo, tudo tem um avesso e merece uma autoria. Por isso a vida é espantosa.