sábado, 12 de março de 2011

520 - ensaio neoconcreto para sólidos e obtusos

gerânios geravam uma gramática de clausura
aturdidos os répteis eram cataclismos sonoros
na ordem geral das reticencias pairavam éolos

somente a pedra inspirava o sopro do pintassilgo
apenas a pedra resistia ao marulho do vocábulo
só a pedra resignada oferecia leito à correnteza

17 comentários:

Angélica Lins disse...

Como eu gostaria hoje de ser essa pedra e sentir-me um pouco mais resignada.

Belíssimo como sempre querido.
Beijo

Everson Russo disse...

Somente a pedra inspirava...tenso e intenso...abraços de bom sabado.

Wanderley Elian Lima disse...

Dentre tantos movimentos, ficar estático às vezes é a melhor solução.
Grande abraço

Mirze Souza disse...

A pedra - mineral que amo.

Maravilhoso!

Beijos, poeta Mil!

Mirze

R.B.Côvo disse...

Muito bom! Abraço.

Ana SS disse...

Resignacao de pedra. Coisa mais decidida!

Ingrid disse...

na dureza dos sons e das palavras nos vamos..
beijo Assis..

dade amorim disse...

Resignação é uma palavra totalmente fora de moda. E no entanto, se não fosse a pedra...
Beijo beijo.

Jorge Pimenta disse...

a totalidade do sólido diluída na aspereza do advérbio. ah, maldita morfologia gramatical...
um abraço, poeta que até das pedras faz a mais fina poesia!

Domingos Barroso disse...

imagens magníficas
...

forte abraço,
irmão Assis.

Daniela Delias disse...

A sonoridade desse poema é demais...fiquei aqui repetindo comigo mesma o primeiro verso, e foi tão bom de ouvir!!! És precioso, meu amigo...

Sam disse...

as pedras guardam poeira das estrelas
pó das estrada
das caminhadas
entregam às manhãs
porto pro pouso certo e acolhedor
dos pintasilgos e canarinhos,
dos bem te vis
e passarinhos mil
é!

as pedras não falam
mas contam histórias.

Abraços, flores e estrelas...

Úrsula Avner disse...

Olá poeta, o requinte de sua poesia traz a reflexão sobre os versos e o gosto pela arte de degustar a poesia... Grande abraço.

Lívia Azzi disse...

É preciso aprender a contemplar as pedras...

;-)

Lívia Azzi disse...

também há poesia nelas ...

Luiza Maciel Nogueira disse...

a pedra no caminho aqui virou diamante

beijo

Marcantonio disse...

Rapaz, essa vertente baiana do neoconcretismo é um assombro! Imagens, cada qual mais bela, disputando espaço, como gametas, para ganhar a luz.

Abração.