quinta-feira, 17 de novembro de 2011

770 - poema de resiliência para os contornos do alvorecer

para Vais que me rogou uma ciranda


vejo-te com a simplicidade das coisas singulares
neste caminho até o arrebol
contemplo riscos que a areia dissolve

mais um dia há de vir
sem nenhuma palavra que interceda

assim se sucedem os impérios, as dinastias
sem que nossos gestos possam haurir
a sequencia de fogo da existência

diviso a rota dos girassóis ensimesmados
somos o hiato desta estranha correnteza
a brevidade é o signo da nossa morada

10 comentários:

Analuz disse...

Belíssimo, poeta Assis... bom começar o dia em companhia de tua voz!

Beijinho!

Everson Russo disse...

Nada na vida é mais perfeito do que a simplicidade do sentir...do amar,,,do viver...abraços de bom dia.

MIRZE disse...

Bela "ciranda"! "VAIS" vai gostar com certeza.

Esses dias que passam sem que palavras intercedam, são temerosos.

Beijo

Mirze

Vais disse...

Assis, Assis,
Putz, putz, ai, ai, ai, saravá e tudo quanto há
Tô aqui do outro lado bestinha bestinha da silva
Quero todos os detalhes que me chegam
E você me dedica um poema num número redondo, ainda que eu não tenha apegos a outros significados para os números, e como você me mistura à física, à capacidade de retorno dos materiais, à simplicidade, que outro dia na cozinha lavando umas vasilhas comentava de como ficava feliz com as coisas simples
E me mistura à efemeridade do que as ondas lambem ou do que os ventos sopram ou do que as chuvas levam
E me mistura ao porvir dos silêncios
E me mistura ao que somos e nada pode mudar a continuidade de fogo da existência, ao sol que os girassóis acompanham e à própria estranheza do fluir, ao que somos, à brevidade, signo da nossa morada.
Muito muito lindo, amei demais
Agradecida num sem fim
Beijos, querido poeta

Tania regina Contreiras disse...

Ah, quando deixo de te ler nalgum dia, a visita é mais demorada, relendo os poemas anteriores. Isso aí hoje é coisa mais linda de se ler. Não veio pela manhã minha oração, mas é quase final de tarde e tá valendo ler e sussurrar aqui meu "amém", porque tu plasma um mundo que almejo quando escreve. E que assim ele seja. Beijos, poeta!

Cris de Souza disse...

a vais merece teus ricos contornos!

beijos nos dois- tão queridos.

BRISA disse...

BOA NOITE
ASSIS
VENHO CONHECER TEU BLOG E ADOREI AS POESIAS SÃO ESSENCIAL PARA A SUA ALMA.
PARABÉNS.VIM ATRAVÉS DE BLOG DE OUTRO AMIGO.
QUANDO VC PUDER ME FAÇA UMA VISITA FICAREI MUITO FELIZ.
BRISA

Jorge Pimenta disse...

vais e todas "as coisas singulares". que mais se faz necessário?
um beijo à homenageada e um abraço ao poeta maior!

dani carrara disse...

mais ciranda é coisa bela demais
e só o nome dela e a apresentação dela no blog, já é uma ciranda de muito belo.

beijo

Ingrid disse...

belíssima homenagem!
beijos aos dois..