sexta-feira, 18 de novembro de 2011

771 - Outra canção de fervor para a natureza dos temporais

Venho de sal em sal na maré dos dias
Sou dessa substancia que se erige na ventania
Silfo noviço na artimanha de modelar nuvens

Venho de sal em sal na maré dos dias
Ao acaso de velas me ponho em desassossego
Neste mar que se cumpre em espelho e presságio

11 comentários:

Tania regina Contreiras disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tania regina Contreiras disse...

"Silfo noviço na artimanha de modelar nuvens"...que maravilha isso, Assis...Um silfo noviço. Essa minha prece matinal, acabei de fazê-la, amém!
Beijos,

MIRZE disse...

Um Show!

Real Batismo da poesia!


Beijo

Mirze

Everson Russo disse...

Esse eterno desassossego do viver...abraços de bom final de semana.

Cris de Souza disse...

Lembrei duma outra cançãozinha:

" Deixa chover
Ah! Ah! Aaaaaaah!
Deixa a chuva molhar
Dentro do peito
Tem um fogo ardendo
Que nunca, nada
Nada vai apagar..."


Beijo de bom dia*

Celso Mendes disse...

que muitas marés tragam na ventania tuas palavras e versos ainda em branco.

grande abraço.

Adriana Karnal disse...

Assis,
não consigo deixar de ler essa mais terna poesia que fazes.

Jorge Pimenta disse...

quando as correntezas e os vendavais não têm geografia... mas são todo o calendário.
abraço, poeta!

LauraAlberto disse...

ah, marinheiro em alto-mar, marinheiro da palavra

beijo

LauraAlberto

Vais disse...

são muitas as imagens de ventos e de olhos modelando nuvens
ondas areia e sal
barcos velas e mar
e um espelho d'água

beijo

Ingrid disse...

bela natureza revolta em marés..
beijos querido