quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

121 - Quase uma canção de sentir

Embora desfaça em disfarces
Este estímulo de inventos
Que ora provocas, e brinques
A estampar ares de gentileza

Descerro os nós que me vestes
Para fazer colheita destes cheiros
E perder-me eterno e em desterro
No avental de avencas que ofereces

6 comentários:

Mai disse...

Dava prá ver e, Nus
d
e
s
p
etalares,
...o quase sentir... dos cheiros e sabores das
...línguas.
Outro prá contrariar a amnésia.
Se existisse algo assim, eu diria você é um 'poemaholic'..(ixi, aloprei!)

Cheiros de sentir.

Lou Vilela disse...

Perder-se eterno... um bom exercício!

Cheiro saudoso de te ler.

nina rizzi disse...

engasguei com seu poema, assis. que eu gosto de morder e engolir os poemas, esfragá-los no corpo. mas fui tão esgalamida nesse que engasguei, ora veja.

a propósito, eu tenho uma prosa que termina algo assim: pra onde vai uma avenca que se parte?

aiai... um cheiro, camarada. e mais um beijo de acompanhar...

Marcia Barbieri disse...

Lindo poema...avencas remetem à eternidade.

beijos e obrigada por visitar meu blog

Gerana Damulakis disse...

Neste, o ritmo foi o ponto alto.

Lara Amaral disse...

Lindo o seu poema!
E o comentário da Mai ficou à altura.

Então, aqui deixo somente minha leitura atenciosa e um gentil abraço.

Até.