sexta-feira, 11 de junho de 2010

242 - Variação para metais e bateria


Não há distancia que alcance
A alma raiada e a vivacidade
Deste encanto que me deitas

Rebento de diverso sortilégio
Acordo para a cria do amanhã

13 comentários:

Mirze Souza disse...

Belo, Assis!

Se existe distância, que se rompam as barreiras.

"Acordar para a cria do amanhã!" Lindo demais!

Beijos

Mirze

tania não desista disse...

é o entusiasmo de amanhecer...por-se de pé...
e deixar nascer o novo... cada dia! belo poema

bj
taniamariza

Zélia Guardiano disse...

Distância?
Ora, distância...
Nada que demande mais que o tempo de um raio.
Sortilégio...
Abração

Lara Amaral disse...

Neste espaço, me aproximo.

Abraço, querido!

dade amorim disse...

Teus poemas levam a gente junto, Assis.

Beijo

nina rizzi disse...

não há mesmo não. e eu to me a me rebentar aqui...

cheiro.

Luiza M. Nogueira disse...

"alma raiada e a vivacidade"

Tudo muito vivo! Intenso.

bjs.

Jorge Pimenta disse...

porque a distância se dilui o amanhã é, já hoje, presente.
abraço, assis!

Vanessa Souza Moraes disse...

Fiquei pensando no que seria a cria do amanhã...

Primeira Pessoa disse...

e fica um travo, poeta...
uma pergunta que não sei responder...

abração,
r.

Gerana Damulakis disse...

Vc está incrível, poeta.

Lou Vilela disse...

O milagre está em mantermos a capacidade de acordar...

Beijos

Zélia Guardiano disse...
Este comentário foi removido pelo autor.