terça-feira, 29 de junho de 2010

260 - prosa para retiro e calmaria

Tenho o passado em tuas mãos
Nas sombras que fizeste crescer
Em meio as tormentas desta nau
Ensandecida de tantos mistérios

Na saga deste ardente opúsculo
Que aflige como o desejo inútil
Como desconhecimento de eras
Seara que cativo em pacificação

16 comentários:

Everson Russo disse...

Muitas vezes precisamos soltar essa nau do passado para que ela se perca definitivamente do nosso horizonte....abraços de bom dia.

Zélia Guardiano disse...

Assis
É remar, remar, neste pacífico de mistérios: talvez seja essa a chave da nau...
Enorme abraço

Mirze Souza disse...

Ah essas naus! Ah esses mistérios que depositamos em mãos.

Ainda bem que o poeta é pacífico!

Beijos, Assis!

Mirze

Luiza Maciel Nogueira disse...

são muitos mistérios que guardas na pacificação. A calmaria por vezes é necessária no caos da loucura de um poeta.

Beijos.

Lara Amaral disse...

O oceano do passado é bravio, nos emburra em maremoto, ou nos finca em alto mar.

Abraço.

Jorge Pimenta disse...

"tenho o passado em tuas mãos/ nas sombras que fizeste crescer..."

quando a nau ainda hoje tacteia pelo mapa dos tesouros remotos nesse oceano de mistérios e dúvidas, as sombras não vagueiam pelas mãos passadas; elas estão bem vivas, nas do presente.
um abraço, assis!

dade amorim disse...

Às vezes é tão difícil pacificar!
Beijo.

PS: Sim, Assis, estamos juntos na Antologia poética editada pela Euza. Mas quase brigo com ela por causa de um erro no último verso do soneto que ela escolheu para publicar, e pelo jeito não foi revisado. Era o poema de abertura. Mas gosto da Euza, deixei a história cair no esquecimento.

Cris de Souza disse...

Versos oceânicos...

Sandra Botelho disse...

Nesta seara de emoções ...Colho teus versos, dependurados em ramos frescos com frutos orvalhados...

Bjos achocolatados

Tania regina Contreiras disse...

Além de tudo, o título, como sempre, é bárbaro!

Abraços,
Tânia

Daniela Delias disse...

Ah, que lindo...carregado de imagens...essas tormentas resultam em palavras tão lindas,não? Bjão, Assis.

Ana SS disse...

Sempre gosto das coisas que escreves.

Gerana Damulakis disse...

Excelente.

nina rizzi disse...

eu já vm aqui e li umas quatro vezes... agora percebi que preciso ler qaurenteuma, o número de palavras. cada uma delas são as tuas escolhas. isso é bárbaro. você escolher palavras pra nós, leiores e enxergadores e comedores.

beijos, palavra que também te escolhi.

LauraAlberto disse...

no meio da tormenta, encontra-se sempre onde guardar as mãos

beijos
Laura

Mai disse...

Aqui eu joguei fundo uma âncora.
Fundo está a âncora enquanto o barco flutua em segura calmaria.

Belo, amigo, ainda que assustador.

mil e um cheiros.
Depois eu volto prá mais outro gole.