sábado, 16 de abril de 2011

555 - partita encomendada para minhas putas da esquina

quando eu era moço de calças curtas
as meninas encompridavam conversas
mas temiam a língua solta e alvoroçada
agora mais velhinho elas temem a lábia
cansada nos olhos e os gestos solitários
minhas putas da esquina adoram me ver
através do copo aberto e do lábio afiado
elas comem as palavras que eu planto e
se lambuzam do néctar de sonho e valsa

24 comentários:

Jorge Pimenta disse...

o lirismo cobre de flores até o mais descuidado dos jardins. fizeste-me recordar garcia marquez e toda a sua capacidade de poetizar os corações - mesmo os que se escondem atrás da rocha dura.
um abraço, poeta!

Fred Caju disse...

Sintonia entre você e a Líria Porto hoje: http://liriaporto.blogspot.com/2011/04/desmerecimentos.html

Abraços!

Fernanda Hauptmann disse...

eu adoro a palavra "puta" :)

Celso Mendes disse...

plantar palavras que que saciam putas... um espetáculo essa tirada, que dá ares de boemia ao poema ao tempo que purifica a adoça damas da noite.

abraço!

Zélia Guardiano disse...

AH, que lindo, meu querido Assis!
Palavras que germinam em versos assim...
Nunca deixe da plantá-las!
Abraço apertado.

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

esse conto poema tambem me fez lembra dos meus dias pequeno quando achava q de tão feio q era morreria virgem

Marcantonio disse...

As coisas mudam, não é, Orfeu?

Este tem um tom todo próprio.

Abração.

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Assis
Na verdade, houve um desencontro cronológico entre você e suas amigas.
Abraço

Eurico disse...

Mas as putas, essas que se lambuzem de sonho, não são tristes, como as do Gabriel.
Essas são pura poesia... e, na Língua, um sonho...de valsa.

Everson Russo disse...

Bons e loucos tempos de lembrança....abraços de bom sabado...

Raíz disse...

ASSIS!

As putas, são a nobreza. Em toda mulher há, houve ou haverá uma.

Dê-lhes o melhor néctar!

Beijos, poeta MIL!

Mirze

Domingos Barroso disse...

elas continuam as mesmas
as esquinas não
...

forte abraço,
irmão Assis.

Ira Buscacio disse...

Assis querido,

Plante as tuas letras nos nossos olhos, sempre!
Bjão e bom fds

Eder Asa disse...

Vai ver as meninas de antes são as putas de hoje e você nem se lembra mais :)

Muito bom! Abraço!

Ribeiro Pedreira disse...

muito bem encomendada...

Tuca Zamagna disse...

Com as palavras é mais fácil, chê,
não perder a ternura de endurecer.

Abraços

Blog do Pizano disse...

E como elas dançam bem

abs

Wilson Torres Nanini disse...

Lirismo-cilada o seu, Assis! Fauno simulando eunuco. E versos - potentes como sempre! - entrelaçando roseiras em lavoura insonte.

Fortíssimo abraço!

Ingrid disse...

viver sempre,mesmo em tempos diferentes..
beijo Assis poeta ..

líria porto disse...

sonho e valso!
besos

Cris de Souza disse...

pqp!!! essa partita saiu melhor que encomenda.

um luxo, mestre!

Lídia Borges disse...

Gabriel Garcia Marquez, aparece, sim, mas não sei dizer se estas são mais ou menos tristes que as dele.

De qualquer forma a minha admiração pela forma como sabe delapidar a palavras fazendo-a luzir a cada gesto.

Um beijo

Lara Amaral disse...

Cena interes.santíssima de se imaginar! ;)

Beijo.

Tania regina Contreiras disse...

Como sumi, agora fui reler o que perdi nesses dias de desaparecimento ( e ainda não volto, passo)...Quanta coisa maravilhosa vc escreveu, Assis!
Entre tantos, o Poema para crescerem raízes em teu ventre, que me arrebatou no meio do caminho.
Beijão, Poeta, saudades de te ler...