quarta-feira, 13 de julho de 2011

643 - poema de louvor para senhora das brisas

cala-me amorosa dos dias meus
sopra a delicadeza dos teus gestos
nesta récita de inconfundível langor

que por ora o tempo se acalma
e o cais distante se faz em porto
cala-me amorosa dos dias meus

recolhe a intempérie dos passos
que vincaram estradas mais viris
contempla esse alvorecer sutil

quando ao acaso emplumados
fitamos o horizonte de letargo

14 comentários:

Everson Russo disse...

Nada mais perfeito que o sopro leve do amor...abraços de bom dia.

MIRZE disse...

Um horizonte de torpor calará até a brisa.

Beleza!

Beijo, poeta!

Mirze

Tania regina Contreiras disse...

"...cala-me amorosa dos dias meus"

Que te ouça...
Beijos,

Analuz disse...

Este me fez debruçar sobre o horizonte...
e o olhar se emplumou.

Beijnho de quarta-feira nublada, poeta Assis!


p.s:Parabéns pela bela homenagem no Trem da lira!

.maria andrade vieira. disse...

convite a uma parada.

Luiza Maciel Nogueira disse...

tão afetuoso este poema até percebi o cintilar de um beijo doce

beijo!

Solange Maia disse...

UAU...

louvor e amor...
química perfeita !

beijo grande

N. Barcelli disse...

Nunca é demais louvar a senhora das brisas...
Caro Assis, gostei deste poema e de outros que li. O teu talento poético é inegável.
Abraço.

Eder Asa disse...

Ora_ção...

Daniela Delias disse...

Creio que todas as amorosas calaram só pra ouvir o teu poema!
Lindo, lindo, lindo...

Bípede Falante disse...

dona amorosa saiu de férias e deu lugar ao frio do vento e à indiferença da chuva.
beijoss

Ingrid disse...

que brisas nos levam ao dias mais certos e amorosos do tempo..
tuas palavras..
beijo querido..

Vanessa Souza Moraes disse...

que o acaso seja gentil.

Cris de Souza disse...

amém!

emocionou-me.