sábado, 23 de julho de 2011

653 - rapsódia distraída para a urgência da palavra

os teus siderais anelos
a minha sina inoxidável

os teus pretéritos partidos
a minha ida inconsequente

os teus olhares em órbitas
a minha retina fatigada

os teus subterrâneos caminhos
a minha estrada apascentada

os teus cálidos sobressaltos
a minha mão de eterno desterro

14 comentários:

MIRZE disse...

Assis!

TRISTE e BELO, como tudo que escreve, mas esse em especial.

Beijo

Mirze

CANTO GERAL DO BRASIL (e outros cantos) disse...

Assis,
Mão de eterno desterro, mão de poeta, mão de Manassés...

Abraço em comunhão,
Pedro Ramúcio.

Analuz disse...

Encontro desencontrado...


Beijinho de sábado, poeta Assis!

Eurico disse...

Leve ou pesada, essa decisão de publicar um poema por dia?

Quando não venho aqui, por dois ou três dias, encontro preciosidades tais, que me veio essa pergunta.

Pedra de Sísifo ou véus de Sherazade, o poetar diário?

Everson Russo disse...

Os teus momentos que tanto me encantam e me fazem sofrer e sonhar...abraços de bom sábado.

Vanessa disse...

As tuas palavras sensatas
e meus pensamentos inquietos...

Amo e estranho tudo o que escreves, por isso sempre que venho aqui me reanimo!

Beijo grande!

Sam disse...

nosso elos
são anéis de saturno
siderais
nesse encontro e cais.

Belo Assis,
Meu carinho.

Luiza Maciel Nogueira disse...

Maravilha Assis essa urgência da palavra ruge o poema

beijo

teca disse...

Versos que conseguem ser tristes e intensamente sensuais...
Um beijo, poeta.

Ingrid disse...

e teus intensos desejos e me encantar...
beijo Assis e obrigada pela tua carinhosa companhia de sempre lá no Perfumes..

José Sousa disse...

Caro amigo Assis!
Como sempre adoro os seus escritos. Mais um poema que adorei ler.
Agora que a saúde da minha mãe retornou já me encontro em forma para dar continuidade aos capitulos lá no meu "Transpondo Barreiras". Terça-feira lá estarei com o 15º Capitulo.
Passa um bom Domingo.
Um grande abraço.

Jorge Pimenta disse...

rapsódia distraída para a urgência da palavra ou o que permanece entre partidas e regressos...

dade amorim disse...

Contrastes, idas e vindas. A vida.

Anna Amorim disse...

Assis,

Um desencontro que é encontro dos opostos.

Beijos,

Anna Amorim