sábado, 30 de julho de 2011

660 - Rapsódia inóspita para asas em desassossego

Sob o espanto do canto o vento imola as asas
Sob o desconcerto da tarde todo pássaro é sol

Assim emplumado vibra o ar em sustentação
Hóspede do vácuo levita no céu a indagação

A diligencia do vôo fecunda insólita nuvem
Anuncia um pretérito de vocação para rastro

Assim em velas orienta-se a nau para o espaço
O pássaro desvela a vereda que vigia o insólito

17 comentários:

MIRZE disse...

ASSIS!

Maravilhoso sentir esse poema. Voltarei a voar para espantar ventos.

Beijo

Mirze

Cris de Souza disse...

desassossego é comigo mesmo! ando com as asas em polvorosa.

bom diaaaaaaaaaaaa, mestre!

Everson Russo disse...

Que esse voo pássaro seja perfeito na plenitude da paz...abraços de bom sábado .

Vanes disse...

"Hóspede do vácuo levita no céu a indagação..." Que fantástico isso! Deve ser lindo sobrevoar o céu da indagação. Há muito planejo essa viagem, agora, depois dos seus versos, sinto-me preparada para isso!! Bom dia!!!

Lua Nova disse...

Impressionante, Assis... teus poemas, na verdade, não são para serem lidos, mas sentidos, interiorisados e vivenciados num sonho com cores de Matisse e movimentos como os das telas de Degas, num transe de liberdade e êxtases.
Beijokas.

Jenny Paulla disse...

Voei alto e minha asas estavam em chamas.

Van disse...

O desassossego é combustível para o vôo

Beijos Assis

dade amorim disse...

Indagações e naus voadoras ilustram muito bem o tema.
Beijo beijo, Assis.

Analuz disse...

O desassossego dos versos acalma ânsias...

Beijinho com admiração, poeta Assis!

Milla Pereira disse...

E eu cá estarei pra ler os 1001 poemas, pois adorei seu blog, seus esxritos, td por aqui. Já estou te seguindo, abrçs.

Sam disse...

é que o vento
margeia a beleza
do que não tem tamanho
do que não tem medida
e canta versante
aos tempos
e aos ouvidos
por tanta vida
incontida.

Abraços, flores e estrelas, Assis querido!

nydia bonetti disse...

tua poesia é sol... mesmo em desassossego ( ou por causa dele?) bjoos!

Adriana Karnal disse...

quando criei asas voei...lindo

Ingrid disse...

a visão do voo..sem rumo.
beijos Assis..

Luiza Maciel Nogueira disse...

pássaro que se desvela enquanto voa é sol - belíssimo

beijo

Catia Bosso disse...

E assim tudo se esvai...


bj.

Vais disse...

Impressionante mesmo
vento que imola as asas
todo pássaro que é sol
fecundar insólita nuvem
o pássaro que é sol tira o véu movimenta as asas na nuvem e mostra o caminho mais agraciado do insólito

uma maravilha de exercício

muito admirada e agradecida

beijão Assis