domingo, 2 de outubro de 2011

724 - dicionário mínimo para entornar alvoroços

III

Alumbramento é um raio nos olhos
Lembra a festa de delicados trovões
É o fazer-se súbito de divindades

Quando a fronte se sente ungida
Pelo toque indelével do assombro
E as mãos carregam arrebatamentos

16 comentários:

AC disse...

Alumbramento é uma espécie de néctar dos deuses...

Abraço

Analuz disse...

espírito em festa diante de tua voz...

beijinho de domingo, poeta Assis!

Tania regina Contreiras disse...

Trovões delicados? Posso, agora, imaginá-los e são estonteantes.
Beijos, querido!

Zélia Guardiano disse...

Lindeza absoluta, Assis, meu querido amigo, grande poeta!!!
Bjs

Primeira Pessoa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Primeira Pessoa disse...

e eu que só carrego pedras nessas mãos....
o que faço agora, poeta?
saio pura aí grafitando os muros?

hoje eu venho aqui só pra te abraçar.

pra isto servem os meus braços "cotós".

fã, daqueles "de cabresto", o


R.

MIRZE disse...

Corpo e alma ungidos e alumbrados!

Beijo

Mirze

Everson Russo disse...

Que seja sempre forte esse raio no olhar...abraços de boa semana.

teca disse...

Entornar alvoroços!!!! Que fascínio eu tenho quando venho aqui...
Beijo.

José Sousa disse...

Olá amigo Assis!
Quando a fronteira se sente ungida!
Nun arepio ela precisa ser atingida!

Um abraço gande!

Jorge Pimenta disse...

sobre dum chão de delicados trovões aprendi a chover...
abraço, poeta!

Rejane Martins disse...

tira-teimas em cisma, pormenor delicado

dade amorim disse...

Impossível não entornar alvoroços.
Beijo, Assis.

Daniela Delias disse...

Aqui até os trovões fazem festa e são delicados...
Bjos!

Mai disse...

e eu adoro essa palavra:
a l u m b r a m e n t o.

e fico horas assim.


serenidade é um correlato ao poema.

cheiros

Cris de Souza disse...

alvorocei-me!