segunda-feira, 17 de outubro de 2011

739 - haikai’s profanos

flores mundanas
no avental
chuva no quintal

*
amadureceu
não caiu
sazão ou razão

*
dor de cotovelo
anatomia
de uma paixão

11 comentários:

MIRZE disse...

UAU, que lindos Haikais!

Beleza!

Beijo

Mirze

Everson Russo disse...

Paixão que corrói, que corta, que devora...abraços de bom dia.

Tiago do Valle disse...

Maravilha! Parabéns!

Celso Mendes disse...

profano ou não
mais uma vez
acertou a mão

abraço.

Lau Milesi disse...

Lindões !
Poeta Assis,
você é um gênio
merece um prêmio.

Abraço.:)

Luiza disse...

Muito bom Assis, eu que adoro haikais fiquei em deleite. Adorei principalmente o último. Beijos

Cris de Souza disse...

a-do-ro!!!

Andrea de Godoy Neto disse...

profanos são ainda melhores, assis!

beijoo

Jorge Pimenta disse...

recordaste-me, subitamente, o conto "a festa", de miguel torga. também aí, o profano pisa o solo sagrado para redesenhar paixões.
um abraço!

Ingrid disse...

deliciosos..
beijos.

dade amorim disse...

Lindos e sábios haikais.