terça-feira, 11 de outubro de 2011

733 - poema tuareg em três versões

I
na solidão da paisagem
contemplam a areia
meus olhos desertos

II
no deserto da paisagem
a areia é o espelho
nos olhos cansados

III
no espelho da paisagem
olhos e areia
se misturam em caos

13 comentários:

MIRZE disse...

Belíssimas as três versões.

Prefiro a II

Beijo

Mirze

AC disse...

Três versões, o mesmo equilíbrio.

Abraço

Everson Russo disse...

Em tres fases remete a um vazio de alma que toca...abraços de bom dia pra ti.

Tiago do Valle disse...

Versos fortes e bonitos, parabéns!

Celso Mendes disse...

Saber trabalhar as palavras é isso: três tercetos com pequenas variações = três significados. Todos ótimos.

Abraço.

Luiza disse...

Assis querido, fique de olho no site do Vidráguas (www.vidraguas.com.br) amanhã (se possível) -

Grande beijo :)

Luiza

Obs: sua poesia está cada vez melhor, essa principalmente é de uma maestria sublime.

Andrea de Godoy Neto disse...

que lindo, poeta!

conheço o caos onde se misturam olhos e areia...

um beijo pra ti!

Ingrid disse...

calor do deserto..
beijos..

Tania regina Contreiras disse...

Três vezes bão!!! :-)
Beijos, querido...

Rejane Martins disse...

mentha que se mentou em solução de versos,
feliz dia, Assis!

Eurico disse...

Só a poesia traz aos olhos essas imagens que exsurgem do fundo mesmo da alma.
Só a poesia produz desertos, feito "oceanos sem água".

Abç, Poeta.

dade amorim disse...

Criatividade em alta, me fez lembrar das sextinas, pela repetição que inova.

Um beijão.

Jorge Pimenta disse...

olhos.
espelhos.
cegueira em cada reflexo.