quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

65 - Interlúdio e porvir

p/ os versos da Nina Rizzi

Nunca mais houvera lábios
Onde a terna carne espargir
Desde o leque em flor se abrir

Nunca mais colher os lábios
Desde sismos, cismas e pelos
Desde tenros apelos e o não

4 comentários:

Moacy Cirne disse...

Nina merece.
Muito bom.

Um abraço.

nina rizzi disse...

puxa vida, isso porque vc disse "vou tentar"... puxavidapuxavida... o que eu digo numa hora dessas, cum poema desses? que vou devorá-lo artaudniana. procura lá ;)

nina rizzi disse...

Vim só pra dizer que invejei teu mar, apesar do meu.

Beijo.

Mai disse...

Estou por aqui e sigo lendo a tua poesia.
Bela homenagem à Nina.

Ela é assim abundante.

Abraços.